quarta-feira, 18 de julho de 2018

O Sesquicentenário de Rodrigues de Carvalho

(Jurista, poeta, historiador, folclorista e membro da Academia Paraibana de Letras)


Foto: Carlos Meira
O Centro de Estudos Jurídicos e Sociais – CEJUS, que tem como seu presidente Dr. José Fernandes de Andrade, promoveu uma série de eventos no ano de 2017 em comemoração ao centenário de nascimento de José Rodrigues de Carvalho, intelectual paraibano de Alagoinha e, agora em 2018, fechando esse ciclo de eventos o CEJUS publicou uma edição especial fac-similar do Cancioneiro do Norte da qual tive a honra de fazer o prefácio e participar do seu lançamento que aconteceu no dia 8 de junho no auditório do CEJUS.

Aqui transcrevo um pouco do que disse sobre a grande obra do imortal da Academia Paraibana de Letras, Rodrigues de Carvalho.  O livro publicado pela política editorial da CEJUS está à disposição de todos os interessados na sede do Centro de Estudos Jurídicos e Sociais que fica localizado na Av. Rio Grande do Sul, nº 1411 Edifício Rio Tauhá, no Bairro dos Estados em João Pessoa – Paraíba/Brasil.


Prefácio
Cancioneiro do Norte
5ª Edição Fac-similar – 2018


Lançamento 5ª Ed fac-similar do Cancioneiro do Norte
Quando recebi o convite do Dr. José Fernandes de Andrade, Presidente do Centro de Estudos Jurídicos e Sociais – CEJUS, para fazer o prefácio da quinta edição fac-similar do Cancioneiro do Norte, fiquei com muitas dúvidas para aceitar essa nova empreitada de tamanha responsabilidade. Tentei fugir do compromisso, mas foi impossível recursar o convite do Dr. José Fernandes de Andrade. Depois de uma longa conversa na sua sala no CEJUS fui convencido pela sua demonstração de carinho e da paixão pela obra do conterrâneo de Alagoinha. Comentar uma obra de Rodrigues de Carvalho não é uma tarefa fácil porque ele atuou em várias frentes importantes da produção intelectual: no jurídico, na literatura, no magistério, no folclore, na história, no jornalismo, na política e em tantas outras atividades.

O livro tem prefácios que praticamente esgotam quase tudo que se deseja dizer sobre esta obra, do próprio autor na edição de 1928, do antropólogo e folclorista Diégues Júnior na edição de 1967 e do professor Iveraldo Lucena na edição de 1995. Fazer mais um prefácio seria dispensável da minha parte. Portanto, fiz a opção por discorrer algumas considerações introdutórias sobre a importância do Cancioneiro do Norte para os estudos e as pesquisas da cultura popular e do folclore na atualidade, até porque o livro é uma obra “imorredoura” como bem definhou o intelectual de Alagoinha.
        
Rodrigues de Carvalho deixou como legado uma vasta obra de diferentes gêneros, de significativa importância para a cultura brasileira, mas no campo do folclore se destacou com a publicação do Cancioneiro do Norte, uma obra pioneira, um marco da sua trajetória intelectual. No prefácio da segunda edição publicada na Paraíba em 1928, portanto 25 anos depois da primeira edição publicada em 1903 em Fortaleza, o autor chama atenção para o pioneirismo dos seus estudos e as pesquisas do folclore quando ainda era um tema de pouca importância no meio intelectual, quando diz: a cantiga popular era motivo de chufa, foi dos primeiros livros no gênero. Hoje temos uma prefeita noção do que seja o folclore e a sua importância histórica.

Na virada do século XIX para o século XX, com 37 anos, Rodrigues de Carvalho ao publicar a primeira edição do Cancioneiro do Norte desperta interesses entre os intelectuais brasileiros, quando ainda se ensaiavam os primeiros passos nos estudos e nas pesquisas para a construção simbólica de uma identidade nacional e uma das fontes eram as manifestações folclóricas. Mas, foi ao publicar a segunda edição acrescentada com fatos novos do folclore que ele entra definitivamente no ciclo dos importantes intelectuais brasileiros como: Nina Rodrigues (1862-1906), Silvio Romero (1851-1914), Gustavo Barroso (1888-1959), Mario de Andrade (1893-1945), Afrânio Peixoto (1876-1947), Gilberto Freyre (1900-1987), Melo Morais (1844-1919), Leonardo Mota (1891-19480), Câmara Cascudo (1898-1986), Ademar Vidal (1900-1986) e tantos outros. O Cancioneiro do Norte passa a ser reconhecido como uma obra referência por Luiz da Câmara Cascudo que a inclui na Antologia do Folclore Brasileiro: Séculos XIX-XX, os estudiosos do Brasil, bibliografia e notas e Florival Seraine na Antologia do Folclore Cearense.
 
Não podemos esquecer que no momento da publicação do Cancioneiro do Norte, o Brasil passava por grandes mudanças políticas, sociais e econômicas, que refletiam significativamente na produção cultural do país, inclusive nas tradições populares e no folclore. Nos primeiros anos do século XX a etnografia, a linguística e a antropologia ganhavam espaço e tempo como campos de estudo e de pesquisa, consequentemente se inicia uma sistematização científica na documentação das tradições populares e do folclore, até então considerado um campo de estudo desprovido de maiores critérios metodológicos.

Participou do 1º Congresso Afro-Brasileiro - 1º CAB, realizado no Recife em novembro de 1934 como Presidente da Comissão de Folclore, coordenou a sessão de debates sobre o Folclore/Arte; no artigo sobre “Aspecto da Influência Africana na Formação Social do Brasil” publicado no segundo volume dos anais do 1º CAB, Rodrigues de Carvalho cita uma das várias versões da lendária cantoria entre Romano de Mãe d’Agua e Inácio da Catingueira, realizada na cidade de Patos em 1870 e publicada no Cancioneiro do Norte na primeira edição de 1903. Mais uma vez aparece o pioneirismo do autor que inovou levando para o debate no 1º CAB os desafios, as cantorias cujas temáticas eram quase desconhecidas entre os estudiosos da época.
O congresso presidido pelo sociólogo Gilberto Freyre reuniu estudiosos de diferentes regiões, provocando polêmicas na jovem academia, na imprensa e divergências ideológicas nos diferentes segmentos da intelectualidade brasileira. Os debates, as conferências e as sessões temáticas no congresso sobre as questões da negritude, da mestiçagem e do sincretismo despertaram novos olhares sobre as tradições populares e do folclore, que passaram a ser estudados com maior rigor científico. E como já dito anteriormente, não mais visto como motivo chufa, mas como uma perfeita noção do que seja o folclore e a sua importância histórica para a construção simbólica de uma identidade brasileira com bases teóricas lideradas por Gilberto Freyre.

Manuel Diégues Júnior, no prefácio da edição comemorativa do centenário de nascimento do autor do Cancioneiro do Norte, publicada em 1967, ressalta a importância de Rodrigues de Carvalho e de suas obras ao afirmar:

Conheci pessoalmente Rodrigues de Carvalho em novembro de 1934, por ocasião do Congresso Afro-Brasileiro, do Recife; participamos, ele como Presidente, eu como Secretário da Comissão de Folclore naquele Congresso que a iniciativa de Gilberto Freire fizera reunir, com a colaboração de especialistas os mais variados: médicos e bacharéis, professores e estudantes, folcloristas e babalorixás. Já o conhecia então de nome; e de livro.    

A preocupação do autor em desenhar uma cartografia das manifestações folclóricas, foi uma demonstração do seu pioneirismo com uma visão futurista sobre a diversidade das manifestações culturais tradicionais e do folclore como: a religiosidade, as festas, as danças, os folguedos, as canções, as poesias e tantas outras expressões do povo. No percurso desenvolvido sobre a manifestação folclórica do Bumba-Meu-Boi em diferentes regiões do país, Rodrigues de Carvalho, pontua cada singularidade dessa manifestação na sua localidade, na cidade ou na roça, assim como observou o espetáculo do Bumba-meu-boi: Pelas cidades o boi perde a sua graça primitiva; na roça, porém, a coisa toma proporções de acontecimento notável. Nesta observação do Bumba-Meu-Boi é como se o autor previsse o possível desenvolvimento deste folguedo em transição do rural para o urbano. Ou seja, saindo da periferia para o grande centro como um espetáculo híbrido, como acontecimento de grande repercussão cultural.  
    
No Cancioneiro do Norte o autor chama atenção para os estudos das narrativas populares, escritas ou orais, que se cruzam nos versos e nas palavras de origens portuguesa, africana e indígena e que as definiu como narrativas de espécime de hibridismo. Rodrigues de Carvalho registra vários exemplos de narrativas populares (contos, cantos, lendas, fábulas, etc.), onde há o hibridismo dos três elementos já entremeados de tantas outras influências, o que torna sem maiores significações estudar isoladamente as suas origens. As observações, até fora do seu tempo, com relação ao que seria o universo simbólico de construção da identidade nacional, com uma visão mais ampla sobre a influência das diversidades culturais brasileiras, de certa forma, divergiam dos paradigmas predominantes na época.

Mais uma vez recorro ao magnifico prefácio de Diégues Júnior ao afirmar que: 

O hibridismo etnológico, referido por Rodrigues de Carvalho, traduz-se justamente nesta mistura em que, embora se possa indicar a fonte originária, não se pode estabelecer a sua exclusividade. É com absoluta razão, antecipando-se aos modernos estudos de regionalização cultural do Brasil, que o velho folclorista de 1903 procurava caracterizar as produções folclóricas por zona, e não por etnia; o que ele via na zona, aliás numa antecipação a modernos estudos, era justamente o elemento cultural em contato, produzindo pela fusão ou absorção dos elementos originais novos elementos, marcados pela feição do ambiente. 

Portanto, não só foi um dos pioneiros dos estudos do folclore como antecipou, nas primeiras décadas do século XX, teorias atuais dos estudos latino-americanos, quando emprega o termo hibridismo, e não exclusivamente os termos de sincretismo ou mestiçagem para definir os amplos processos de intercâmbios das diversidades culturais tradicionais. O primeiro termo por se referir quase sempre às questões raciais e o segundo quase sempre às questões religiosas.

Rodrigues de Carvalho faz o seguinte questionamento: Como afirmar se o canto A de origem europeia, a canção B indiana, a chula C africana, se o meio em que se recolhem tais produções é o resultado de um manifesto hibridismo etnológico?

Para justificar o uso do termo “hibridismo etnológico”, o autor ressalta a importância dos estudos comparativos dos valores culturais que constituem as tradições populares brasileiras, que atravessaram centenas de civilizações ao longo dos anos, de geração em geração e foram adaptando-se aos nossos costumes, onde a tradição se transfunde ao longo do tempo.  

Faço aqui um outro questionamento: talvez Rodrigues de Carvalho tenha empregado o termo hibridismo, já no início do século XX, antevendo os processos de dinamizações das culturas tradicionais e das culturas contemporâneas tão debatidas, tão polemizadas nos estudos e nas pesquisas atuais entre culturas midiáticas e culturas populares. Evidentemente levando em consideração a época que foi publicada a primeira e a segunda edição aumentada do Cancioneiro do Norte.

Rodrigues de Carvalho teve a preocupação de registrar os problemas das secas, do ciclo do cangaço e de outras temáticas socioculturais que eram motes nas cantorias, nos versos dos poetas populares e nos enredos dos folguedos para demonstrar que não existia uma tradição cultural, mas uma diversidade de manifestações tradicionais que se espalham nas diferentes regiões do território brasileiro e que continuam atualizando-se. Como ele mesmo diz no final do seu prefácio: Este livro não representa uma ambição literária, nem aspira à glória de obra limpa; ele significa um esforço por bem da intelectualidade anônima dos filhos do Norte.

Ao reeditar Cancioneiro do Norte depois da publicação em 1995 pelo Conselho Estadual de Cultura, o CEJUS, não só presta uma justa homenagem ao seu autor como também possibilita que novas gerações possam conhecer o trabalho pioneiro dos estudos e das pesquisas desenvolvidas por Rodrigues de Carvalho na virada do século XIX para o século XX.

É importante dizer que a edição fac-similar do Cancioneiro do Norte, que agora em 2018 é publicada pelo CEJUS, continua atual como referência bibliográfica, para quem deseja conhecer os primeiros registros do nosso folclore e realizar estudos comparativos sobre os hibridismos etnológicos na atualidade. 

6 comentários:

  1. Caro Trigueiro,

    Grato por enviar o texto e por nos
    apresentar o autor em questão.
    Parabéns.

    Yuji Gushiken

    ResponderExcluir
  2. Parabéns, Osvaldo!
    Grande abraço em vocês. Saudades dos amigos
    Najara Ferrari

    ResponderExcluir
  3. Li o teu texto, Osvaldo. Muito bom.
    Acabo de chegar de Salamanca (cidade linda, linda...), onde estive com colegas brasileiros/as.
    Abraço para ti e um beijo para a Rosinha.
    Carlos Nogueira

    ResponderExcluir
  4. Muito bom post Trigueiro.
    Sempre na ativa, que bom.
    Mande ver.
    Abraços para você e Rosinha.

    MErica

    ResponderExcluir
  5. Trigueiro amigo,
    É sempre um prazer renovado receber suas notícias e realizações. Meus parabéns. Gostaria de que me informasse de que edição de Cancioneiro do Norte de Rodrigues de Carvalho, é o fac-símile da recente (a primeira de 1923, ou a segunda de 1928, etc., etc.)

    Recomendações aos familiares e amigos aí da Paraíba.

    Cordial abraço,
    Jackson Lima.

    ResponderExcluir